Um ambiente que convida a ficar

FOTO: Fran Parente Via @studiomellone

O que seria um ambiente que convida a ficar? No caso, aqui, será uma sala de jantar onde natureza, arquitetura, design de móveis e arte parecem terem sido pensados e criados uns para os outros.

A sensação que tenho ao ver as imagens desta sala de jantar que tem projeto de arquitetura por Andrade Morettin , sim o mesmo escritório que desenhou o Instituto Moreira Sales de São Paulo, e arquitetura de interiores pelo Studio Mellone, é que a criação da arquitetura fluiu com o intuito de proporcionar ao “interior design” e às peças de arte o melhor espaço para que todos fossem valorizados, que tudo foi pensando ao mesmo tempo e de forma que a sala de jantar oferecesse um ambiente aprazível não só pelo que possui no seu interior mas que permitisse a invasão do verde para dar o frescor e a luminosidade natural a luz do dia e o brilho ou escuridão à noite.

Foto: Fran Parente l Via: www.studiomellone.com

CORES E MATERIAIS

No conjunto arquitetônico do ambiente predominam três materiais: concreto aparente, vidro e madeira.

O concreto faz com que as peças ricas de desenho e valor artístico ganhem destaque ao mesmo tempo que as deixam , apesar de todo seu refinamento, um tanto quanto despretensiosas, parecem que já pertenciam ao lugar por toda sua sincronicidade e harmonia entre si.

Já as cores são muito neutras e permanecem dentro da paleta dos próprios materiais, caramelo da madeira, cinza do concreto com toques de brilho do lata do pendente e da prata do conjunto de chá.

Madeira Jacarandá l Concreto l Prata

MÓVEIS

Um aparador que flutua em madeira e tampo claro, cadeiras Bruno com estrutura escura e mesa provavelmente de jacarandá.  Apesar de todas as peças serem de peso, vamos dizer assim, a maneira ou melhor dizendo a forma como o ambiente as recebeu , com sua luz natural e materiais mais próximos da natureza os deixou completamente a vontade, tirando um pouco da imponência sugerida pelos designers, Ludwig Mies van der Rohe e Lilly Reich (cadeira Brno) e Claudia Moreira Sales (aparador).

 Cadeiras : AL – Etel Carmona – Etel Interiores l Marina – L’ Atelier

 Aparadores : Ondas – Arthur de M. Casas – Etel Interiores  l Pinhim – Bruno Rangel – Dpot

ILUMINAÇÃO

Impossível não notar o pendente com cúpulas afuniladas e  brancas nas pontas das hastes que aparentemente dança sobre a mesa. Nao sei quem é o autor do desenho mas ele tem uma forma muito característica das luminárias da década de 50 que permitem que se brinque com orientação da luz.

O importante é também notar que ele é horizontal , uma forma especial eu diria assim, e desta forma não interfere em nada para quem quer observar as obras de arte que estão sobre o aparador na parede de concreto aparente .

Outros pendentes cujas formas dariam uma efeito similar na cena de um ambiente que convida a ficar e que possuem a característica “espacial”.

Pendentes: Crown Plana Linea – Marcus Jehs e Jürgen Laub – Nemo Cassina l Serge Mouille 

ARTE l OBJETOS

Dentre as peças que estão sobre o aparador me chamou atenção ao jogo de chá em prata. Interessante pensar que além de claro poder usá-lo para o uso para o qual foi feito, seria servir chá (risos) eles foram usados para dar um toque de brilho, apenas uma pincelada mesmo de prata para iluminar as cores sóbrias das telas , a escultura de madeira e o vaso branco, além claro do próprio aparador.

As telas do artista plástico John Henderson possuem uma ilusão de profundidade e textura e como o próprio artista descreve: “… but up close their surfaces are absolutely flat. The works can change a lot depending on the viewer’s proximity.”

Na minha percepção elas parecem querer imitar as imperfeições do concreto, ao mesmo tempo que se aproximam em se falando de cor com a madeira das árvores. Acredito que neste caso o artista não as criou imaginando para onde elas iriam, mas a sintonia entre arte e arquitetura são perfeitas.

Telas: John Henderson

O Studio Mellone, escritório de arquitetura e interiores baseado em Nova Yorque, teve como grande aliado o escritório Andrade Morettin Arquitetos para projetar esta casa, ou teria sido ao contrário? Na verdade os dois fizeram em conjunto um grande trabalho de criação, de maneira tal que todos os ambientes e se falando em especial da sala de jantar, proporcionassem um convívio entre arte, como pecas selecionadas com todo cuidado e algumas da própria coleção do proprietário, sem deixar de lado a natureza do entorno.

O jardim sem dúvida de forma sucinta  invade o interior e faz parte do cenário, dando frescor e leveza à sala de jantar, um ambiente que convida a ficar.

E voces , de forma deixam que a natureza invada um ambiente de sua casa? Me conte aqui ;)!

Até o próximo post!

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>